Neste conteúdo, você encontrará uma série de informações sobre os riscos de não conhecer o que a legislação diz sobre os direitos autorais de músicas tocadas em ambientes corporativos, os problemas que a falta de uma estratégia de Music Branding pode causar e como montar uma playslist segura e eficiente para sua empresa.

A música tem o importante poder de influenciar as pessoas nos mais diversos contextos – e, em um comércio, isso não é diferente. Quando bem escolhida, a música ambiente não só é capaz de atrair consumidores e melhorar a experiência deles durante o atendimento, como também aumentar o tempo de permanência dentro da loja.

Se você já sabe selecionar playlists de acordo com o gosto dos seus clientes, você está indo pelo caminho certo! No entanto, é preciso tomar cuidado com a escolha do meio de reprodução, já que plataformas de streaming, Youtube e CDs nem sempre são as alternativas mais vantajosas para uma empresa. Continue a leitura para entender mais sobre como criar uma experiência de marketing sensorial com sonorização corporativa eficiente!

Quais são os riscos de não ter uma estratégia de música ambiente organizada?

Antes de prosseguirmos, é importante destacar que, o fato de não conhecer o que a legislação diz sobre tocar músicas em empresas e não ter uma estratégia de Music Branding bem definida faz com que sua companhia corra alguns riscos, tenha problemas com a produtividade dos funcionários e, até mesmo, perca clientes. Entre os riscos e as práticas que se deve evitar, podemos citar os seguintes.

Tocar músicas não alinhadas ao público

Antes de colocar a música ambiente como estratégia de marketing, é fundamental conhecer o gosto musical do cliente para personalizar uma playlist que aumente seu desejo em permanecer na loja, não é mesmo? O problema é que nem todas as alternativas de reprodução permitem a seleção de músicas específicas.

O CD é um exemplo disso: ou compra um álbum com músicas da mesma banda, correndo o risco de não agradar a todos, ou adquire um CD limpo, com o qual, embora você possa organizar sua playlist como quiser, não é possível alterar as músicas posteriormente, podendo deixar seus clientes enjoados.

Prejudicar o tempo de seus funcionários

Como falamos, é importante manter a música atualizada para não deixar os clientes enjoados. E, com isso, vamos para o nosso próximo obstáculo: a gestão de tempo.

Por mais que plataformas de streaming, como Spotify e Dezzer, possam parecer soluções mais acessíveis, ter que atualizar a playlist toda semana pode acabar tomando muito tempo de trabalho. Além disso, vale ressaltar que o processo de trocar músicas da playlist, durante o horário de expediente, também pode afetar a produtividade dos seus funcionários.

Aumentar os custos por pagamento ao ECAD

O ECAD é responsável por recolher arrecadações de músicas e disponibilizá-las para os criadores. O valor pago pelo empresário pode depender tanto da localização quanto do serviço realizado pela empresa.

Embora os serviços de streaming também já tenham que pagar pelos direitos autorais para disponibilizar músicas de artistas, teoricamente isentando o usuário do pagamento da taxa, o empresário que tem conta no aplicativo também precisa pagar o ECAD, porque tais plataformas não podem ser utilizadas para uso comercial – o que inclui a utilização como música ambiente.

Enfrentar problemas legais

Aplicativos de streaming e CDs não podem ser utilizados em ambiente comercial, mesmo se você tiver realizado o pagamento. Ainda é preciso conseguir uma licença específica – conhecida como licença de apresentação pública – para reproduzir músicas em locais abertos.

Não há como negar que burocracias como essa podem dar muita dor de cabeça. No entanto, é a única maneira de evitar problemas legais e multas por cada faixa tocada por esses meios de reprodução.

Como montar uma playlist segura para música ambiente na empresa?

Agora que você já tem uma noção mais ampla sobre o funcionamento da legislação sobre música em ambientes corporativos e os riscos e problemas que sua empresa pode enfrentar se não elaborar uma estratégia inteligente, mostraremos algumas práticas para agir de maneira assertiva.

Conheça seu público-alvo

Uma estratégia de Music Branding está muito além de colocar uma lista de músicas aleatórias para tocar no estabelecimento, sem estabelecer qualquer critério, apenas para que haja um “som de fundo” tocando na loja.

A questão é que, quando um cliente permanece dentro da sua empresa, diversos fatores sensoriais que o estimulam de maneira inconsciente podem determinar o tempo que ele ficará ali e, consequentemente, quanto gastará comprando seus produtos.

Estamos nos referindo ao marketing sensorial. Isto é, elementos visuais, auditivos e até mesmo relacionados à temperatura do local que, quando somados, causam uma experiência de consumo agradável.

O que queremos dizer é que, na maioria das vezes, o cliente nem está prestando atenção na música que toca de fundo, mas, se ela for agradável, ou seja, esteja de acordo com seu perfil e suas preferências pessoais, ele se sentirá bem e não terá pressa de comprar e sair do estabelecimento. Portanto, conheça bem o perfil do público-alvo de seu negócio na hora de montar uma playlist para sua estratégia de música ambiente.

Contrate uma empresa especializada em sonorização corporativa

Hoje em dia, com toda a evolução da tecnologia e popularização da internet, existem soluções para os mais diversos problemas da vida moderna. Com base no que foi dito no tópico anterior, em meio a tantas obrigações e responsabilidades administrativas de seu negócio, você não precisa preocupar-se com o marketing sensorial, já que existem empresas especializadas em estratégias para música ambiente.

Além de estudar o público da sua marca e elaborar playlists personalizadas para gerar uma experiência de consumo agradável aos seus clientes, ao terceirizar esse tipo de serviço, você não precisa preocupar-se com questões relacionadas aos direitos autorais exigidos pelo ECAD, já que a organização atua somente sob licenciamento.

Invista em uma infraestrutura adequada

Vale destacar, ainda, que empresas que atuam terceirizando serviços de Music Branding cuidam de toda a parte técnica necessária para que a música ambiente tocada em sua loja, sua academia, seu bar, ou qualquer que seja o nicho em que você atua, soe de maneira agradável e eficiente. Fatores como o tamanho do estabelecimento, a quantidade de clientes que entram todos os dias e tudo que esteja relacionada à acústica são considerados na hora de determinar qual é o equipamento ideal para seu negócio.

Como pode ver, por mais que alternativas como plataformas de streaming, Youtube e CDs sejam práticas, o empresário pode enfrentar várias dificuldades ao escolher essas opções para reproduzir playlists. Sendo assim, o mais recomendado é que a empresa busque soluções de música ambiente que otimizem o trabalho dos funcionários e, principalmente, não tenham custos com licenças especiais.

Gostou de aprender sobre os principais problemas de reproduzir música ambiente com essas opções? Aproveite para entender melhor como funcionam os direitos autorais das músicas e como agir diante deles!